Runnersp
Login:
Senha:
  |  

Domínio queniano e novos recordes na Meia Maratona do Rio.

Domínio queniano e novos recordes na Meia Maratona do Rio.

Rio de Janeiro (RJ) - A festa foi queniana na 15ª edição da Meia Maratona do Rio de Janeiro, disputada neste domingo (21), de São Conrado ao Aterro do Flamengo, com a participação de mais de 19 mil competidores. Beneficiados pelo clima (17 graus) e a alta umidade do ar (69%), Mark Korir e Eunice Jepkirui Kirwa conquistaram o primeiro lugar, no masculino e no feminino, com direito a quebrar o recorde da prova, estabelecido em 2000. O Brasil conquistou bons resultados: Damião Ancelmo de Souza, da equipe Pé de Vento, e Cruz Nonata da Silva, da BM&FBOVESPA, ficaram em terceiro lugar.

Mark Korir venceu a Meia Maratona pela primeira vez, com o tempo de 1h01min33s, novo recorde para o percurso - a marca anterior era de John Gwako (Quênia) com a marca 1h01min48s em 2000. Com isso, além do prêmio de R$ 15 mil pela primeira colocação, ele teve direito a uma bonificação de R$ 14 mil.

O mesmo ganhou a queniana Eunice Kirwa, que chegou ao tricampeonato consecutivo da prova. Ela marcou 1h10min29s, quase um minuto abaixo do tempo de Margaret Okayo (Quênia) - 1h11min22s, estabelecido também em 2000. Já Damião Ancelmo e Cruz Nonata, que tiveram direito ao prêmio de R$ 5 mil pela terceira colocação, ainda receberam mais R$ 2 mil por terem sido os brasileiros mais bem colocados na prova. O tempo de Damião foi ainda mais representativo: ao completar a Meia do Rio em 1h02min25s, ele passou a ter o segundo melhor tempo no ranking nacional da distância nesta temporada, sendo superado apenas por Marílson Gomes, que completou a Meia de Nova Iorque, em março, em 1h01min23s.

"A quebra de dois recordes numa mesma prova, e depois de 11 anos, vem confirmar que investir na organização, na estrutura e na tecnologia de um evento dá resultado e permite aos atletas darem o seu melhor. Aconteceu o mesmo na Maratona de São Paulo deste ano, quando caiu o recorde feminino. Isso confirma que estamos realizando os melhores eventos do Brasil, em alta padrão, e atraindo cada vez mais competidores de ponta", festejou Thadeus Kassabian, diretor da Yescom, organizadora da Meia Maratona do Rio e da Maratona de São Paulo.

Sprint na chegada - A prova masculina começou com José Márcio Leão da Silva, do Cruzeiro, disparando na ponta. Ele imprimiu ritmo forte na subida da avenida Niemeyer e conseguiu manter boa distância do segundo pelotão formado pelos africanos e brasileiros até o km 10, quando foi ultrapassado por oito corredores de uma só vez - Leão concluiu a prova em nono lugar, a poucos segundos de Franck Caldeira, vice-campeão em 2010 e um dos favoritos deste ano.

A partir da metade da prova, o pelotão se dividiu em três, bem definidos. Os quenianos Mark Korir e James Kwambai abriram vantagem na ponta; Marco Joseph, da Tanzânia, assumiu a terceira posição; e Damião Ancelmo de Souza e Paulo Roberto Almeida Paula, ambos brasileiros, lutavam pela quarta posição. O ritmo forte dos brasileiros logo deu resultado e a dupla superou o tanzaniano, que chegou em quinto.

Na frente, os quenianos brigavam passada a passada pela liderança, o que não impediu Korir de pegar um copo de água para Kwambai, no km 18. O companheirismo prevaleceu até cerca de 300m da chegada, quando Korir acelerou o ritmo e abriu distância necessária para completar a prova em escassos três segundos à frente.

"Eu tinha energia suficiente no final, que me permitiu dar o sprint. Ele é maratonista, é mais resistente, mas sou mais veloz e por isso ganhei a prova. O clima ajudou e estou satisfeito com o resultado", disse o campeão, de 26 anos, que ficará em Curitiba até novembro, em treinamento, e deve voltar a competir em setembro, numa prova de 6km, na capital paranaense. No final do ano passado, Korir obteve dois ótimos resultados: foi campeão da 10K Rio - Corrida Pan-americana, em novembro, e vice da Volta da Pampulha, em Belo Horizonte, em dezembro.

A chegada dos brasileiros também foi emocionante, mas Damião contou com a fadiga de Paulo Roberto para cruzar a linha cinco segundos antes. "É o melhor tempo da minha vida", comemorou, enquanto abraçava todos que via pela frente. "O clima ajudou, a umidade do ar, me senti muito bem e tive um final de prova até fácil, sem muito cansaço. É um grande resultado, mas não posso me dar ao luxo de comemorar muito não, pois agora quero lutar por uma vaga no Pan de Guadalajara e tenho de me preparar para a última seletiva", explicou ele, que no sábado, no estádio Célio de Barros, no Rio, vai tentar a vaga para a prova de 10 mil metros dos Jogos de 2011.

Queda no feminino - A prova entre as mulheres foi decidida logo no começo. Três atletas se destacaram: a queniana Eunice Kirwa, a italiana Nadia Ejjafini e a brasileira Cruz Nonata da Silva. Elas corriam lado a lado, até que no final da praia de Copacabana, próximo ao Leme, Nadia tropeçou sozinha e Cruz Nonata, que vinha logo atrás, também caiu. Elegantemente, Kirwa praticamente parou e aguardou a recuperação das concorrentes para seguir seu ritmo. Mas a queniana não tinha mesmo adversárias e abriu larga vantagem em seguida. Ao pressentir a possibilidade do recorde, ela não diminuiu sua velocidadee quebrou a marca de 11 anos.

"Eu fiquei triste quando vi as duas caindo e esperei para ver o que iria acontecer. Quando vi que estavam bem, voltei ao meu ritmo. A prova foi boa e, quando cheguei ao km 15, percebi que poderia bater o recorde. Forcei um pouco mais o ritmo, puxei e o resultado foi o melhor possível. A temperatura nos ajudou a guardar energia para a chegada", reconheceu.

A brasileira Cruz Nonata, apesar da queda, comemorou o terceiro lugar. "É claro que atrapalhou, mas ninguém teve culpa. Ela caiu do nada, quando olhei ela estava na minha frente e eu não tive como desviar. Foi uma pena. Na hora senti algumas dores, mas com o calor da prova tudo passa e só pensava em concluir o percurso. Agora, está doendo de novo", comentou bem-humorada.

Paul Tergat vibra - Padrinho da Meia Maratona do Rio, Paul Tergat festejou o resultado e a quebra dos recordes. A poucos metros do final da prova masculina, ele apostou na vitória de James Kwambai, "que parecia estar mais descansado". Não acertou. "Foi uma briga boa na chegada, mas ganhou o mais veloz, que demonstrou mais experiência", explicou. "A prova foi maravilhosa, de alto nível, com uma clima extraordinário, que ajudou na quebra das marcas. Os atletas correram com determinação, força e isso tornou tudo ainda mais bonito", disse ele.

Paul Tergat deixou o Aterro do Flamengo e, no fim da tarde, foi ao Engenhão assistir ao clássico Vasco x Fluminense, pelo Campeonato Brasileiro. O supercampeão, durante a semana em que esteve no Rio, visitou alguns pontos turísticos da cidade e ficou maravilhado com o que viu. Mas quer voltar ano que vem. "Fui ao Pão de Açúcar, é lindo. Depois fui ao Corcovado, mas não vi o Cristo, as nuvens estavam muito baixas", reclamou com um sorriso. "Agora tenho mais um motivo para voltar à cidade, que realmente é maravilhosa", provocou satisfeito. Nesta segunda-feira, Tergat vai a São Paulo para uma entrevista no Programa do Jô. No dia seguinte retorna ao Quênia.

Cola na roda - Entre os cadeirantes, a vitória foi de Jaciel Antônio Paulino, da equipe ADD/Fila/Avianca, com o tempo de 1h02min25s. Para ele, o clima não foi tão favorável. "A prova foi excelente, mas a chuva, para os cadeirantes, faz com que a gente derrape um pouco. E como usamos luvas de borracha para dar impulso na cadeira, escorrega um pouco. Tive de usar cola na área de impulsão da roda, para conseguir competir, principalmente na descida da Niemeyer, onde a gente patinou um pouco", explicou.

Resultados

Masculino
1- Mark Korir (Quênia/Fila) - 1h01min33s (novo recorde)
2- James Kwambai (Quênia/Nike) - 1h01min36s
3- Damião Ancelmo de Souza (Pé de Vento) - 1h02min25s
4- Paulo Roberto Almeida Paula (Cruzeiro) - 1h02min30s
5- Marco Joseph (Tanzânia/Fila) - 1h02min45s
6- Joshua Kemei (Quênia/Fila) - 1h02min53s
7- Gilmar Silvestre Lopes (Pé de Vento) - 1h03min02s
8- Franck Caldeira (Nike) - 1h03min10s
9- José Márcio Leão da Silva (Cruzeiro) - 1h03min23s
10- Gilberto Silvestre Lopes (Pé de Vento) - 1h03min34s

Feminono
1- Eunice Kirwa (Quênia/Fila) - 1h10min29s (novo recorde)
2- Nadia Ejjafini (Itália/Nike) - 1h11min08s
3- Cruz Nonata (BMF&BOVESPA) - 1h11min50s
4- Busnei Jeptto (Quênia/Nike) - 1h12min06s
5- Anastazia Msandai Ghamaa (Tanzânia/Fila) - 1h13min00s
6- Sueli Pereira da Silva (Jataí) - 1h13min17s
7- Dorcas Kiptarus (Quênia/Fila) - 1h14min47s
8- Marily dos Santos (Mizuno/MultSport) - 1h15min46s
9- Maria Zeferina Baldaia (Sertãozinho/Smel) - 1h17min05s
10- Elivane Oliveira dos Santos (Só Óleo) - 1h17min25s

A 15a edição da Meia Maratona do Rio de Janeiro foi uma realização e organização da TV Globo e Yescom, com promoção e transmissão do Sportv, TV Globo Internacional, Globoesporte.com, Rádio Globo e Jornal O Globo. O patrocínio foi da Caixa e da Adidas, com patrocínio especial do Fisk. O apoio foi de Hcor São Paulo, Montevérgine, Gatorade, 3 Corações, Probiótica, O Globo, TAM Viagens, Rádio Globo e CBN. O apoio especial foi da prefeitura e do governo do Rio de Janeiro. A supervisão é da IAAF, Aims, CBAt, Farj e Ideeia.

Mais informações no site www.meiamaratonadoriodejaneiro.com.br

Produção e Organização de Eventos Esportivos - Consulte-nos